Esta é uma Chamada Final de Despertar?

MORIA arde, novamente. Este horror documentado no coração da Europa foi denunciado desde seu início (2015) por dezenas de relatórios de organizações de direitos humanos, humanitárias e outras organizações não governamentais. Quase 20.000 (no pico de fevereiro passado) e no momento do incêndio, 13.000 seres humanos viviam em uma prisão de lama, lixo e violência, atrás de arame farpado. MORIA é um limbo planejado, onde os refugiados estão sendo negados seu direito a asilo, liberdade e dignidade, incapazes de realizar até mesmo as atividades diárias mais básicas, como dormir, comer ou se comunicar. Era um lugar onde os cuidados de saúde e educação eram negados a 4.000 crianças – deixadas sem sonhos; adolescentes cujas taxas anormais de tentativas de suicídio deveriam ter sido um alerta sobre o nível de desespero no local (MSF); mulheres aterrorizadas por estupros diários, falta de higiene e violência desenfreada. Centenas de testemunhos revelando os níveis insuportáveis de “não-vida” em MORIA foram mantidos sem serem ouvidos durante anos.

Agora o campo cercado, que estava prestes a ser fechado, queimou até o chão. Mas como esta construção – o abandono de seres humanos reduzidos a “números e corpos” – poderia reaparecer como uma ilha no coração da Europa do século XX? Como este apartheid e sofrimento como gestão planejada do “outro”, do “migrante”, foi aceito e tolerado no longo silêncio de 5 anos? Esta “contenção” desumana havia sido erguida como modelo para as políticas migratórias pela Comissão Européia e pelos Estados Membros da UE. MORIA tem sido a essência do modelo de dissuasão destinado a desencorajar a fuga de potenciais requerentes de asilo de países em guerra e empurrá-los de volta às ruínas, selado pelo acordo UE-Turquia em 2016. Está documentado que nas ilhas gregas, a Convenção de Genebra estava sendo constantemente violada diariamente. Ela foi enterrada em Lesbos?

A realidade mais perturbadora de todas é que a MORIA não é exceção – mas parte de uma cadeia de Acampamentos e Hotspots por toda a Europa construídos como locais “sem direitos” e uma aniquilação sistemática planejada do “outro”, psiquicamente destruídos em acampamentos, onde poderiam até ter sido queimados vivos. As fronteiras da UE, assim como as rotas marítimas, também se tornaram locais de morte onde milhares de pessoas se afogaram. Esta situação é indicativa da política geral de necropolítica praticada pela União Européia e seus Estados membros em relação aos povos migrantes e refugiados e é combinada com a política de externalização militarizada das fronteiras. E dentro da Fortaleza Europa – como é mostrado graficamente nesta época da COVID-19 – os trabalhadores migrantes que constituem uma grande parte dos “trabalhadores essenciais” na agricultura, nos cuidados e no trabalho doméstico – também são negados direitos fundamentais, sujeitos ao racismo cotidiano e privados das condições para viver uma vida humana decente.

Como parte daquela Europa que ainda se reconhece em primeiro lugar como “humana”, e unindo-se a todos os movimentos que nestas horas fazem ouvir sua voz, nós, os signatários, que há anos testemunhamos o trágico destino dos povos migrantes e refugiados, denunciamos ainda mais o fogo da MORIA como expressão simbólica e altamente visível do crime silencioso, permanente e planejado contra a humanidade, pelo qual a Comissão Européia e os Estados europeus são responsáveis, como destacado pela sentença do Tribunal Popular Permanente (Audiências 2017-2019). As intervenções humanitárias destas horas – já mínimas em si mesmas – só podem aparecer como uma operação de salvamento. Mais uma vez, estes pronunciamentos referem-se a um tempo sem prazos e, portanto, confirmam a política genocida existente – já que a Comissão Européia, e os governos da UE optam por uma identidade que se declara isenta das obrigações da civilização do direito. Estas obrigações deveriam ser coerentes com o compromisso “nunca mais” contra os campos de extermínio e tinham feito da Europa um lugar de acolhida e um indicador de seu próprio projeto de desenvolvimento.

Portanto, apelamos para a CE e para todos os Estados europeus:

  • Que evacuem urgentemente a ilha e re-localizem com segurança e dignidade as populações migrantes e refugiadas da MORIA.
  • Ponham fim à criminalização dos migrantes e refugiados e à criminalização da solidariedade.

Não é crime migrar ou pedir Asilo! É um Direito Humano!

14 de setembro de 2020
Os movimentos e oganizações que convocam a 45ª Sessão do TPP sobre os direitos de Migrantes e Refugiados
https://transnationalmigrantplatform.net/

Call for Solidarity – a campaign on Social Media
Propuestas para una campana en los medios sociales
Propositions pour une campagne sur les médias sociaux               Un appello alla solidarietà – una campagna sui social media 

It is urgently needed that the EC, EU member states, and all european governments take responsibility to save lives and ensure the exercise of human rights for all migrant and refugee people and end the regime of Camps in Europe.  

WHEN: Monday, September 14, 2020  – a joint launch at 10.00 CET

CUÁNDO: el Lunes, 14de  de septiembre, 2020: lanzamiento conjunto a las 10.00 CET

QUAND: Lundi 14 septembre 2020 à 10h CET 2020 – lancement conjoint

HOW:

  • Send MORIA Burns Call:  to the national level Government authorities and to Parliamentary Committees – Migration & Asylum and Human Rights as well as to the City level Authorities. This is to be initiated by the participating organisations. 
    ESP: Llevar a cabo una acción intensiva de medios sociales que apoyen el mensaje y las demandas del Comunicado – podemos utilizar los hashtags y los twitter handles abajo 
    FR: Faisons une campagne intensive dans les médias sociaux pour soutenir le message et les demandes du Communique et utilisez les hashtgs et les poignées twitter ci-dessous
  • Include Following # in your tweets/Hasthags à inclure/Hasthags a incluir: #PeoplesVSBorders, #PeoplesVSWalls, #ClosetheCamps #RegularizationNow, #PapersForAll
  • Possible Messages on Twitter or Facebook
    Migrant & refugee peoples are working in key sectors such as agriculture or care, most often without any protection nor recognition of their #rights #PapersForAll @vonderleyen @eucopresident @EP_President https://bit.ly/migrantrightshumanrights

    #Regularization measures done so far in the #EU only ensure labour in key sectors of economy without ensuring the protection of people’s human rights #PeoplesvsBorders @vonderleyen @eucopresident @EP_President https://bit.ly/migrantrightshumanrights

    A generalised and comprehensive #RegularizationNow of all migrant and refugee peoples in the EU is essential and urgent so that they can finally exercise their labour, social and health rights properly, for their own benefit and that of society as a whole @vonderleyen @eucopresident @EP_President https://bit.ly/migrantrightshumanrights

    We call on #EU governments, to end their bi-lateral agreements on externalisation of borders (with Libya, Turkey, Morocco, etc.) where pushbacks lead to arbitrary arrests, indiscriminate repression and slavery conditions in camps. @vonderleyen @eucopresident @EP_President https://bit.ly/migrantrightshumanrights

    Health measures in the #EU are being used to violate HHRR of migrants & refugees, who are stranded, locked in a limbo where they cannot circulate, return to their origin countries or meet their families #PeoplesvsBorders @vonderleyen @eucopresident @EP_President @JanezLenarcic

    Current #EU prohibition of #SearchAndRescue & disembarkation of migrants and refugees stranded in the #Mediterranean is a Crime against humanity #[email protected] @eucopresident @EP_President @JFLopezAguilar https://bit.ly/migrantrightshumanrights

    Current #EU prohibition of #SearchAndRescue & disembarkation of migrants and refugee peoples stranded in the #Mediterranean is a Crime against humanity #PeoplesvsBorders @MBachelet @UN_SPExperts @FilippoGrandi https://bit.ly/migrantrightshumanrights

    We demand the #EU and member states to stop its investments in military equipment and urgently resume responsibility to save lives and ensure the exercise of human rights for all migrant and refugee [email protected] @eucopresident @EP_President